72º Encontro

Tecnologias de género em editoriais de beleza: uma abordagem multimodal do discurso


Inês Conde(ESTG-IPLei/UTAD/ILTEC, Portugal)

Na pós-modernidade, as representações do corpo feminino são dominadas por imagens prescritivas que procuram estimular o consumo e a acção correctora do aspecto físico. Os primeiros planos do rosto e do corpo (lábios, pálpebras, olhos, pele, cabelo, ...) configuram a corporalidade feminina como um mosaico de atributos apropriáveis pelas virtualidades da customização, da reciclagem do passado e da escolha hiperindividual. O ideal de beleza é, assim, pragmático e eufórico, esteticamente optimizado para garantir a performatividade social e a excepcionalidade. A exortação da auto-vigilância extrema na busca do sujeito pela hiperfelicidade, sustentada pelo medo permanente da falência, transforma o corpo feminino num projecto, num investimento capital.

No contexto da imprensa feminina para adolescentes, a interface multimodal e intermedial entre textos verbais e visuais potencia a tecnologização do corpo jovem, que, como projecto sujeitificado, pode sofrer transformações e reconfigurações. A partir de um corpus constituído por 3 editoriais de beleza publicados na revista Ragazza (num total de 25 páginas A4), procura-se descrever, interpretar e explicar identidades e papéis sociais de género que se manifestam em representações fluídas e dinâmicas da corporalidade feminina. O olhar sobre o hibridismo discursivo dos textos, como tecnologias do discurso, é suportado pelas contribuições teórico-metodológicas da Análise Crítica do Discurso (Fairclough 1999, 2003, 2006; van Leeuwen 2008) e da Análise Multimodal (Kress & van Leeuwen 2006, Machin 2007).