ENCONTROS QUINZENAIS DE LINGUÍSTICA SISTÉMICO-FUNCIONAL  

 

Encontro 34º

   

24 de Janeiro de 2008, Quinta-feira, às 16:30 h.

 

INGLÊS GLOBAL 2.0 – PERSPECTIVA SISTÉMICO-FUNCIONAL SOBRE A DIFUSÃO E APROPRIAÇÃO DA LÍNGUA INGLESA NO SÉC. XXI

 

António Manuel Gonçalves (FLUL e AFA) 

A comunicação em inglês entre falantes não nativos tem uma importância cada vez maior. Não é só porque o número de falantes não nativos é superior ao dos falantes nativos. Também não é apenas o facto de esse desequilíbrio demográfico fazer crescer exponencialmente o número de interacções em inglês como língua franca (que envolve falantes com diferentes primeiras línguas). A verdade é que o nexo de causalidade entre esses dois crescimentos tem como consequência uma erosão progressiva do papel regulador dos falantes nativos em comunidades influentes, como sejam os meios académico e científico, para não falar dos centros de decisão política e económica.
Uma das consequências desta erosão pode ser a mudança da própria língua inglesa em direcções até há pouco tempo insuspeitadas. A acção conjugada dos utilizadores não nativos do inglês e dos contextos em que ele é hoje usado resulta numa nova realidade linguística, que pode revelar-se a um tempo mais problemática e complexa, mas também mais democrática e participativa. A linguística sistémico-funcional permite-nos descrever e compreender as dificuldades que os falantes não nativos estão (estavam?) obrigados a vencer para participar em comunidades discursivas anglófonas e anglocêntricas, mas está também em posição privilegiada para dar conta do que de essencialmente novo está a ocorrer na comunicação global mediada pelo inglês. Sobretudo (mas não apenas) no ciberespaço, são outras as leis da gravidade: a rigidez formal dos géneros valorizados, e mais precisamente a distância interpessoal que era de rigor observar, rapidamente parecerão excessivos e exclusivos (pela sua formalidade e etnocentrismo) e insuficientes (em potencial de comunicação). 

António M. Azevedo Gonçalves é professor de inglês no Departamento de Línguas da Academia da Força Aérea Portuguesa. É licenciado em Línguas e Literaturas Modernas – variante de Estudos Portugueses e Ingleses – e Mestre em Linguística Inglesa pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.